Herança de Gorbachev liderada por Putin – na busca do império russo

Gorbachev morreu esta semana na Rússia após prolongada doença. Putin despediu-se dele em cerimónia privada e não lhe reconheceu a possibilidade de ter um “funeral de Estado”. O último líder da URSS deixa o mundo dos vivos mas permanece na memória histórica da Europa, do Atlânticos aos Urais.

Gorbachev representava liberdade, abertura, paz e laços mais estreitos com o mundo exterior. Putin representa a centralização do poder da Rússia como potência europeia reordenando a sociedade russa mesmo que para isso promova um regime de maior controlo, contando para isso com a ajuda da igreja ortodoxa. Morreu de facto o marxismo-leninismo, mas não se esbateu o sonho da Grande Rússia.

De muitas maneiras, Gorbachev, que morreu na terça-feira, inadvertidamente permitiu Putin. As forças desencadeadas por Gorbachev saíram do controle, levaram à sua queda e ao colapso da União Soviética. Desde que chegou ao poder em 1999, Putin vem adotando uma linha dura que resultou em uma reversão quase completa das reformas de Gorbachev.

Quando Gorbachev chegou ao poder como líder soviético em 1985, ele era mais jovem e mais vibrante do que seus antecessores. Ele rompeu com o passado afastando-se de um estado policial, abraçando a liberdade de imprensa, encerrando a guerra de seu país no Afeganistão e deixando de lado os países do Leste Europeu que estavam presos na órbita comunista de Moscou. Ele acabou com o isolamento que dominava a URSS desde sua fundação. Foi um momento emocionante e esperançoso para os cidadãos soviéticos e para o mundo. Gorbachev trouxe a promessa de um futuro melhor.

Ele acreditava na integração com o Ocidente, multilateralismo e globalismo para resolver os problemas do mundo, incluindo o fim dos conflitos armados e a redução do perigo das armas nucleares. Em contraste marcante, a visão de mundo de Putin sustenta que o Ocidente é um “império de mentiras”, e a democracia é caótica, descontrolada e perigosa. Embora principalmente se abstendo de críticas diretas, Putin insinua que Gorbachev se vendeu ao Ocidente.

Voltando a uma mentalidade de estilo comunista, Putin acredita que o Ocidente é imperialista e arrogante, tentando impor os seus valores e políticas liberais à Rússia e usando o país como bode expiatório para seus próprios problemas. Ele acusa os líderes ocidentais de tentarem reiniciar a Guerra Fria e restringir o desenvolvimento da Rússia. Ele busca uma ordem mundial com a Rússia em pé de igualdade com os Estados Unidos e outras grandes potências e, em alguns aspectos, está tentando reconstruir um império.

Gorbachev às vezes cedeu à pressão ocidental. Dois anos depois que o presidente dos EUA, Ronald Reagan, implorou a ele para “derrubar este muro” num discurso no Muro de Berlim, Gorbachev o fez indiretamente, não intervindo em revoluções populistas anticomunistas na Europa Oriental. Seguiu-se a queda da Cortina de Ferro e o fim da Guerra Fria.

Razão

Miniatura do vídeo do Youtube

Na Rússia, Gorbachev introduziu duas políticas radicais e dramáticas – “glasnost” ou abertura – e “perestroika”, uma reestruturação da sociedade soviética. Assuntos antes tabus passaram a ser discutidos, na literatura, nos meios de comunicação e na sociedade em geral. Ele empreendeu reformas económicas para permitir a iniciativa privada, afastando-se de uma economia estatal.

Ele também afrouxou o temido estado policial, libertou prisioneiros políticos como Andrei Sakharov e acabou com o monopólio do Partido Comunista sobre o poder político. Viagens internacionais mais livres, emigração e observâncias religiosas também faziam parte da mudança.

Putin se afastou das mudanças de Gorbachev. Ele se concentrou em restaurar a ordem e reconstruir o estado policial. Uma repressão cada vez mais severa à dissidência envolveu a prisão de críticos, rotulando-os de traidores e extremistas, inclusivé por meramente chamar a “operação militar especial” na Ucrânia de guerra. Ele vê alguns críticos como colaboradores financiados por estrangeiros dos inimigos da Rússia. Ele exige total lealdade ao Estado e enfatiza a família tradicional russa, os valores religiosos e nacionalistas.

Os falhanços de Gorbachev
A liderança de Gorbachev não foi sem falhas. As suas políticas mais liberais foram desiguais, como uma sangrenta repressão soviética em 1991 ao movimento de independência na república báltica soviética da Lituânia e a tentativa de encobrimento precoce do desastre da central nuclear de Chernobyl em 1986.

Em 1988, ele percebeu que tentar esconder eventos ruins não funcionava, então quando um grande terremoto atingiu a Armêénia em dezembro de 1988, ele abriu as fronteiras para ajuda internacional de emergência e permitiu transparência sobre a destruição.

Após quase uma década de combates no Afeganistão, Gorbachev ordenou a retirada das tropas soviéticas em 1989, entrou em vários acordos de controlo de armas e desarmamento com os Estados Unidos e outros países e ajudou a acabar com a Guerra Fria. Por esses esforços, ele recebeu o Prémio Nobel da Paz em 1990.

Mas em casa, as reformas económicas de Gorbachev fracassaram. Libertar as indústrias do controlo estatal e permitir a iniciativa privada muito rápida e ao acaso criou uma escassez generalizada de alimentos e bens de consumo, agravou a corrupção e gerou uma classe de oligarcas.

Os crescentes movimentos de independência nas repúblicas soviéticas e outros problemas irritaram tanto a linha dura do Partido Comunista que eles tentaram um golpe contra ele em agosto de 1991, enfraquecendo ainda mais o seu poder e levando à sua renúncia quatro meses depois. No final, muitos na Rússia sentiram que Gorbachev os havia deixado com promessas quebradas, esperanças frustradas e um país enfraquecido e humilhado.

Quem se sentiu assim foi Putin. Para ele, muito do que Gorbachev fez foi um erro. O maior foi o colapso da União Soviética, o que Putin chamou de “a maior catástrofe geopolítica do século”.

A União Soviética foi desrespeitada, derrotada e despedaçada – 15 países. Para Putin, também foi pessoal, porque como um oficial da KGB estacionado na Alemanha Oriental, ele assistiu horrorizado enquanto grandes multidões encenavam a revolta popular que levou à remoção do Muro de Berlim e à reunificação da Alemanha, a certa altura sitiando o seu escritório da KGB em Dresden.

Até hoje, as percepções de Putin sobre ameaças ao seu país e revoluções populares matizam a sua política externa e a sua profunda desconfiança em relação ao Ocidente. Eles sustentam a sua decisão de invadir a Ucrânia em 24 de fevereiro. Como justificação para a guerra, ele cita o que acredita ter sido uma promessa quebrada dos EUA a Gorbachev – uma suposta promessa de 1990 de que a NATO não se expandiria para a Europa Oriental.  Autoridades dos EUA negaram ter feito tal promessa, mas Putin acredita que a expansão da NATO, e especificamente a perspectiva de a vizinha Ucrânia se juntar à aliança, representa uma ameaça existencial para a Rússia.

Os críticos alegam que Putin distorce os fatos e ignora os sentimentos locais para alegar que os ucranianos querem ser libertados do governo de Kyiv e se alinhar com Moscovo. Ele embarcou num esforço maciço para modernizar e expandir o poderio militar da Rússia, afastando-se dos acordos de controlo de armas com os quais Gorbachev concordou.

A guerra de Putin na Ucrânia, supostas violações de direitos humanos e a anexação da Crimeia em 2014 atraíram enormes sanções internacionais que estão revertendo os laços culturais e económicos que Gorbachev fomentou. Mas para alguns aliados, a Rússia está isolada. Embora se possa esperar que Gorbachev tenha sido mais crítico de Putin, ele apoiou a anexação da Crimeia pela Rússia, condenou a expansão da NATO para o leste e disse que o Ocidente estragou as oportunidades oferecidas pelo fim da Guerra Fria.

Mas de muitas outras maneiras, os suportes históricos entre os dois líderes estão distantes. Um observador que vê os negócios de Gorbachev como inacabados é Mikhail Khodorkovsky, um magnata russo que se mudou para Londres depois de passar uma década em uma prisão russa sob acusações amplamente vistas como vingança política por desafiar Putin.

“Gorbachev deu liberdade não apenas aos estados do Báltico e do Leste Europeu, ele também deu liberdade à nação russa”, disse Khodorkovsky após a morte de Gorbachev. “É uma questão diferente que não conseguimos fazer uso dessa liberdade.”

___

Logo

Nascemos porque acreditamos que a Regionalização é uma prioridade política nacional capaz de criar novos dinamismos sociais e económicos para construir uma sociedade mais justa e próspera.

Politicamente inconvenientes precisamos que seja nosso aliado na defesa da região Norte para enfrentarmos os desafios de sempre. Sem medo, com a independência que nos é oferecida pelos nossos leitores de quem dependemos ao produzir diariamente os conteúdos noticiosos que editamos.

Esteja connosco nesta luta comum. ASSINE AQUI. Obrigado